Cidade de MS que teve caso confirmado do COVID-19 poderá ter comércio reaberto na próxima semana

O comércio de Sidrolândia, praticamente fechado desde a última terça-feira com a quarentena adotada como estratégia de isolamento social para quebrar a cadeia de transmissão do coronavirus.

Por Fernando Brito 26/03/2020 - 11:54 hs
Foto: Sidrolândia News
Cidade de MS que teve caso confirmado do COVID-19 poderá ter comércio reaberto na próxima semana
Centro comercial de Sidrolândia

O comércio de Sidrolândia, praticamente fechado desde a última terça-feira com a quarentena adotada como estratégia de isolamento social para quebrar a cadeia d etransmissão do coronavirus, pode voltar a funcionar a próxima semana.

Os critérios, data e o plano de contingência para reabertura das lojas serão debatidos na tarde desta quinta-feira numa reunião do Comitê Gestor das ações contra o Covit-19, prefeito Marcelo Ascoli e membros da Associação Empresarial de Sidrolândia (AESIDRO). Ainda não está definido se todas as atividades comerciais atingidas pela quarentena serão autorizadas a voltar funcionar.

O mais provável e que a medida seja estendida a todos os segmentos do comércio, preservando algumas cautelas exigidas dos setores que continuaram funcionando.

Supermercados, pet shop, postos de combustível, farmácias, por exemplo, tiveram que regular a entrada de público para evitar aglomerações, reforçar a higienização dos ambientes, oferecer equipamentos de segurança aos funcionários, manter a distância mínima de 1,5 metro entre os clientes.

Em relação a restaurantes e lanchonetes, é possível que seja mantida a restrição de consumo no próprio estabelecimento, com atendimento apenas para entrega.

Campo Grande, já estuda a flexibilização da quarentena. A partir de segunda-feira às lojas de material de construção voltarão a funcionar. Alguns comerciantes da cidade, como o empresário Dalto Pavei e Jair Nascimento, se manifestaram nas redes sociais contra a quarentena, que na avaliação deles, pode quebrar a economia da cidade, gerar desemprego e trazer consequências tão graves quanto a pandemia do coronavirus.

Fonte Região News