Seja bem-vindo
Paraíso das Águas,21/07/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

BRASIL| Conselheiro Tutelar é denunciado por assediar adolescente de 17 anos

Jovem de 17 anos afirmou que o conselheiro pediu para um amigo ameaçá-lo de morte. Polícia Civil investiga o caso.


BRASIL| Conselheiro Tutelar é denunciado por assediar adolescente de 17 anos

Um conselheiro tutelar, que exerce a função há mais de 20 anos, está sendo investigado por suspeita de assediar um adolescente de 17 anos em Murici, no interior de Alagoas. De acordo com a denúncia, o homem teria feito uma proposta para ter relações sexuais com o jovem em troca de dinheiro, mandando mensagens como "vem 💸💸💸" e "pago bem"  (assista ao vídeo)

À TV Gazeta de Alagoas, a Polícia Civil informou que investiga o caso e que no momento não irá se pronunciar.

O adolescente, que teve a identidade preservada, relatou que os casos de assédio começaram na época em que ele estava na escola.

"Ele me encarava, começava a olhar para mim e começava a conversar comigo: 'Oi, meu jovem'. E começava com aqueles papinhos. Assim que eu larguei, cheguei em casa e fui mexer no celular e tinha uma solicitação para segui-lo de de volta. Aí eu 'dei a ideia' e era ele. Quando eu penso que não, ele começou a dar em cima de mim", afirma o rapaz.

Após negar as propostas de R$ 100 e R$ 150 para transar com o conselheiro, o adolescente afirmou que o homem teria pedido a um amigo para ameaçá-lo de morte, justificando que ele era um "aluno rebelde".

"[Ele ficou] dizendo que se eu não me endireitasse na vida, ele iria me matar. Ia fazer várias coisas, aí eu comecei a ficar nervoso e ele fez 'não precisa ficar nervoso não', aí eu peguei e 'fiquei de boa'. Ele ainda disse 'olhe, quando alguém quer ser maior que o outro, você sabe o que acontece, né?'.

A reportagem do g1 AL tentou entrar em contato com o Conselho Tutelar de Murici, mas as ligações não foram atendidas.

O amigo do conselheiro tutelar encaminhou um áudio para o tio do adolescente negando as ameaças. Na mensagem de voz ele disse que o conselheiro afirmou que as aulas tinham acabado de começar e que o jovem estaria "demais".

A avó do adolescente relatou que assim que soube do fato, procurou a escola e o Conselho Tutelar. "Ele fez 17 anos agora. Ele tem que ficar amedrontado, eu não vou nem forçar ele a ir para a escola. Eu quero justiça", explica.

A família informou registrou um Boletim de Ocorrência e denunciou o caso para o Conselho Tutelar dos Direitos da Crianças e do Adolescente, mas a pessoa que recebeu a denúncia foi o próprio conselheiro que estava sendo denunciado. "Ele riu e disse que tava resolvendo o problema dele".


G1







COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.