Eleições EUA: Com Biden na frente, quatro estados decisivos para definir o vencedor

Ainda faltam apurar os votos em sete estados, Trump precisa vencer nos quatro principais para se reeleger

Por Fernando Brito 04/11/2020 - 11:19 hs

A maior eleição presidencial dos Estados Unidos nos últimos 100 anos ainda não possui um vencedor definido, a contagem dos votos continua nesta quarta-feira (4).

Faltando o resultado em sete estados, quadro deles sendo ‘chaves’, ainda não é possível confirmar, entre se  ou , quem irá governar os EUA nos próximos quatro anos.

O democrata , lidera a disputa com 238 votos no Colégio Eleitoral, após ter vencido no Arizona e ainda possui grande chance de vencer na Geórgia.

O republicano , em segundo, possui 213 votos de delegados, resultado adquirido graças a vitórias importantes na Flórida, no Texas e em Ohio.

Apesar de  estar à frente de Trump, o candidato a reeleição está na frente em quatro estados chaves onde a contagem dos votos não chegou ao fim: Pensilvânia, Michigan, Wisconsin e Geórgia.

Mesmo com as parciais favoráveis a Trump, ainda é necessário que os votos pelo correio sejam contados. A expectativa é que essas cédulas favoreçam Biden, conforme publicado no portal G1.

Ainda não se sabe se a contagem dos votos enviados pelo correio, possivelmente favoráveis a Biden, serão o bastante para virar o jogo nos quatro estados chaves.

A eleição até agora

Biden já possui 238 dos 270 delegados necessários para vencer no Colégio Eleitoral até o momento, Trump possui 213. Por conta disso, Biden precisa de apenas 32 delegados para se tornar presidente.

O atual presidente ainda necessita de 57, por isso os estados da Pensilvânia, Michigan, Wisconsin e Geórgia se tornam tão importantes neste momento.

A Pensilvânia possui 20 votos do colégio, Michigan 16 votos, Geórgia 16 votos, Carolina do Norte 15 votos, Wisconsin 10 votos, Nevada 6 votos e Alasca 3 votos.

Caso Biden continue a frente no Wisconsin e em Nevada e consiga reverter a votação em qualquer um desses três estados: Pensilvânia, Michigan ou Geórgia, o democrata se torna o novo presidente.

Midiamax