Professor Nizan Pereira é o primeiro aposentado desde que Paraíso das Águas se tornou independente

Servidor Público Municipal somou 31 anos de serviços prestados.

Por Fernando Brito 11/02/2021 - 15:48 hs

O professor Nizan Pereira da Silva, 68 anos, foi o primeiro à se aposentar pelo município de Paraíso das Águas desde sua independência em 2013 [quando se instalou município].

Após somar 31 anos de carteira assinada, finalmente, o servidor público municipal conseguiu efetivar sua aposentadoria.

É ele quem relata sua trajetória profissional:

    "Ingressei na Secretaria  Municipal de Educação em  Porto Rico, Estado do Paraná, no ano de 1964, como office boy, na Delegacia de Ensino.

    Naquela oportunidade, fui escolhido por ter os requisitos solicitados para o cargo, que para tal função, entre outras exigiam um Certificado de Dactilografia. Terminei o Estudo do Ginásio e  como não havia Escola de Segundo Grau, em Porto Rico, realizamos uma excursão para as praias do sul do país, visitando o Passeio Público, Cine Vitória e Teatro Glória, na capital, incluindo uma audiência como o Governador do Estado, Dr Paulo Pimentel. Para esta audiência, formou-se uma Comissão para reivindicar do então Governador do Estado, uma Escola de Segundo Grau em nosso Município. Eu participei da Comissão, embora fosse bem adolescente ainda, mas somamos esforços e o governo, embora não acreditasse que fosse possível, nos prometeu uma Extensão da Escola Normal Colegial (Magistério) Padre Antônio Vieira, localizada na cidade de Santa Cruz do Monte Castelo, localizada a vinte e dois quilômetros de Porto Rico.  Impôs _nos uma condição para que isso acontecesse. Deveríamos conseguir o número mínimo de pré _ matrículas com urgência e irmos até a sede da Escola Normal Colegial, convencer a Diretora que sim, era possível o funcionamento daquela escola em nosso município.

         Como combinado, fizemos e a Escola com todas as dificuldades de uma Extensão, começou a funcionar e eu matriculei, entusiasmado com o ingresso no segundo grau, coisa que muitos companheiros meus, talvez por preconceito, não abraçaram a nossa nova  conquista.

        Logo em seguida, talvez pelo meu entusiasmo com a escola que acabara de inaugurar, fui convidado para lecionar numa Escola na área rural.

       Aceitei. Com 17 anos de idade, apenas cursando o Magistério, entrei no grupo de professor do município onde morava.

       (06:30) Seis e meia, entrava em uma Kombi que fazia a linha, pela Br e nos deixava na beira do carreador. De lá, até na escola, caminhávamos atravessando pastos, correndo de em quando, de vacas bravas até chegar no destino. (Escola)

      Para não chegar no serviço todo sujo e molhado pelo orvalho, tirava a roupa de trabalhar: calça, camiseta, tênis, e guarda-pó e vestia outra roupa, calçando um bota de borracha e seguia em frente.

      Comecei com uma sala lotada de alunos. Tendo como clientela, alunos do primeiro, segundo, terceiro e quarto anos, na mesma sala, éramos professor, diretor, coordenador, zelador e cozinheiro. Somente as provas bimestrais eram aplicadas pela Comissão da Delegacia de Ensino.

     Foram tempos difíceis, porém de grande aprendizado, até que me formei e munido com o Diploma de Professor Primário, fui convidado para trabalhar no Colégio Militar Castelo Branco, na Quinta Companhia de Fronteira em Guaíra, Estado do Paraná.

      Trabalhei por quase três anos lá, talvez por ser muito novo ainda, a notícia se espalhou pelo conesul  do então, Estado de Mato Grosso.

      Muitos convites surgiram para vir trabalhar aqui no Estado. Dei baixa, em Fevereiro de 1.975, embarquei na Balsa que travessa do Porto Guaíra até o Porto Frageli, onde desembarquei com Destino a Porto Morumbi, onde assumi 44 aulas na Escola “Silo Vargas Batista”.

      Ali trabalhei até 1989, me mudando para Campo Grande. Removido a pedido, ministrei 22 aulas na Escola Professora Delmira Ramos dos Santos, na Coopavilla II e 22 aulas na Escola Professor Sílvio de Oliveira, no setor 7, Aero Rancho.

     Em 1995, voltei para Eldorado, lecionando 44 aulas no Colégio Eldorado. Em 1997, entrei com o(PDV) Pedido de Demissão Voluntária. Recebi o combinado, fiquei alguns anos tentando outras atividades, das quais não me adaptei, embora as realizasse com conhecimento, talvez por ter que ficar muito longe dos familiares. Voltando de passagem aqui em Paraíso, onde passamos as festas Natalinas com nossos amigos: Professor Carmo dos Santos Pinho, Professora Inês dos Santos Pinho e Professora Iorema Toigo.

        Entre uma cantoria e outra, um pedaço de carne e uma boa conversa, surgiu aí, deles, que deveria vir para Paraíso e esquecer a ideia de voltar para Peixoto de Azevedo, Mato Grosso havia arrumado trabalho para eu, minha esposa, Donatila  e mais alguns parentes e amigos.

       Foi feito o convite de virmos trabalhar aqui na Escola Branca de Neve, da Professora Iorema, a princípio relutei um pouco, por já ter firmado um compromisso de voltar para Peixoto de Azevedo, assumindo um  concurso de 30 aulas e gerenciando um escritório de Contabilidade, onde eu já estava trabalhando.

      A minha esposa, Donatila, ficou encantada com a ideia e ficou logo apaixonado por Paraíso das Águas. Como um empurrãozinho do Professor Carmo e sua esposa, Professora Inês, dia 24 de Janeiro de 1999, cheguei de mudança em Paraíso e em seguida, iniciei o meu trabalho como professor da Escola “Branca de Neve”.

     Fiz o concurso de 40 aulas e em Abril de 2.000, fui chamado para assumir o Concurso no Estado. Assumi o concurso na Escola Estadual Vereador Kendi Nakai, onde aposentei  em 2010.

     Em 2.003 fui trabalhar na Escola do Distrito de Bela Alvorada, fiz o concurso por Água Clara, assumi em 2.004, onde trabalhei até a Emancipação Política Administrativa de Paraíso das Águas, quando optei para transferir o meu Concurso para a Escola Lizete Riveli Alpe na sede do município.

      Temos boas recordações dos tempos que trabalhamos na Cooperativa, principalmente nas idas e vindas que fazíamos com nossos carros, sempre fazendo troca de carro, mas passamos por muitos perrengues, tais como: quebrar carros, estourar pneus e até incêndios e risco de acidentes até em comum acordo, contratamos o Fernando Tozzo com sua Kombosa e que fomos apelidados, pela turma da Kombi.

Quando fui na trabalhar lá no Distrito, em 2003, na vaga do Gilson, já encontrei trabalhando lá, Carmo, Ineizinha, Márcia Vida, Márcio e Josecarla. Depois vieram, Rosiane, Luciane, Rosilda, Inês Pinho, Márcia Rodrigues, André, Carlos (in memorian), Ana, Luciana, Valdilene, Benílson e a Fátima que também era usuária da Kombi.

        Grandes companheiros de trabalho que venho publicamente agradecê - los por me aturar nos meus momentos de dificuldades, de crises por ter passado problemas na perda de meus familiares (pai e mãe) e mesmo no meu jeito de ser, não tão compreendido por muitos. Esses companheiros me apoiaram em todos os momentos e fizemos uma grande time, como se fôssemos uma família.

     Me despeço aqui também dos professores da Escola Lizete Rivelli Alpe, onde continuei a minha parceria com o Professor Márcio Rogério, Diretor dessa Escola, por oito anos, com quem fiz sempre uma parceria, desde os tempos da Escola Branca de Neve, Vereador Kendi Nakai e na Escola Municipal de Bela Alvorada, por quase vinte anos, organizando e participando das Festa Juninas, na Escola onde trabalhamos juntos e também nas Formaturas, onde tenho orgulho de sempre lembrar que mesmo quando nem sonhávamos em ser Professor no início, na criação desta Escola Municipal, onde eu fui o primeiro Presidente da Associação de Pais e Mestres (A.P.M.) e trouxe o meu companheiro para juntos realizarmos Festas para angariar fundos para a Entidade e também nas Formaturas, não nos importando quem era o Prefeito e quem era o Diretor da Escola ou Secretário de Educação, oferecemos  nossas caixas de som e contamos também com a parceria de nosso grande locutor Fernando de Brito que nos honrou com sua maravilhosa locução, isso sem contudo cobramos nem um tostão.

      Outros parceiros, tais como: o Saudoso Luiz Carlos Araújo (in memorian) o nosso maior leiloeiro de nosso município juntamente com o seu parceiro de dupla, o amigo Ronan Silva.

       Foram muitos que nos ajudaram, lembro-me destes nomes, talvez por terem realizado um trabalho voluntário que foi primordial no sucesso dos eventos.

      Finalizo agradecendo a todos os professores, coordenadores, diretores e Secretários de Educação que nos confiaram esse trabalho, onde pudemos contribuir para o grande sucesso dos eventos realizados.

      Abraço a todos."