Com superlotação, Regional tem dificuldade em receber pacientes para intubação

Hospital possui capacidade máxima de 140 pacientes com ventilação mecânica, nesta tarde havia 138 intubados, médica destaca os riscos aos demais pacientes

Por Fernando Brito 07/04/2021 - 09:44 hs

Em meio ao colapso no sistema de saúde, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), unidade de referência no tratamento da Covid-19, enfrenta dificuldades com a superlotação dos leitos e pacientes graves que necessitam de intubação. 

“Nós estamos com muita dificuldade de receber pacientes para intubação, não podemos passar de 140 leitos  com ventilação mecânica por conta da pressão, agora temos 138 intubados, o que muito nos preocupa por pode colocar em risco os demais pacientes”, explicou a diretora-presidente do Regional, Rosana Leite.

Rosana explica que antes da pandemia o Regional contava com 39 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e devido a demanda agora possui 120 leitos de UTI e 140 de ventilação mecânica. 

“A construção do prédio é muito antiga, o hospital não foi projetado para isso, tínhamos 39 leitos de UTIs, hoje temos 120, temos muita dificuldade de receber pacientes em ventilação mecânica, é muito além da capacidade, se continuar assim a solução será termos um novo hospital”, pontuou.  

Rosana Leite faz um apelo para que a população respeite as medidas de biossegurança e evitar aglomerações. Ela destaca que pela quarta semana o Regional opera com leitos acima da capacidade permitida.

“Vivemos um momento delicado na saúde pública, o uso de máscara, álcool gel e todas as medidas necessárias para evitar a propagação do vírus são mais que necessárias, só assim poderemos atravessar esse momento”, afirmou.  

RECORDE 

O mês de março registrou recorde no número de mortes, o segundo maior de casos e o recorde de internações pela Covid-19 em Mato Grosso do Sul. Conforme os dados do boletim epidemiológico,  ao longo dos últimos 31 dias, 975 pessoas morreram em decorrência do vírus e mais de 34 mil foram infectadas.

O mês de dezembro do ano passado tinha se mostrado como o mais letal, desde o início da pandemia no Estado, com 587 mortes em decorrência do vírus. No mês passado, foram contabilizadas 975 mortes.

Com o final de março, o mês se tornou o segundo mais infeccioso, 34.070 pessoas foram contaminadas pela Covid-19. O maior número de confirmações em um mês foi registrado em dezembro de 2020, com 34.700.

Correio do Estado