Hipertensão pode estar relacionada a 80% dos casos de AVC e 60% dos casos de infarto

A orientação é sempre para que o paciente hipertenso não suspenda o tratamento e uso dos medicamentos por causa da Covid-19

Por Fernando Brito 27/04/2021 - 13:35 hs

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), a hipertensão pode estar relacionada a 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC) e 60% dos casos de infarto agudo do miocárdio (IAM) no país.

Além disso, cerca de 35% dos brasileiros são hipertensos. A doença é caracterizada como crônica não transmissível (DCNT) e sua identificação, aliada ao tratamento precoce, reduzem a mortalidade por causas cardiovasculares.

Na segunda-feira (26), foi celebrado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial e a SBC alertou que, no contexto de pandemia de Covid-19, hipertensos precisam manter a pressão arterial controlada.

O presidente da unidade, Celso Amodeo explica que a orientação é sempre para que o paciente hipertenso não suspenda o tratamento e uso dos medicamentos por causa da Covid-19.

“O risco da hipertensão no indivíduo com coronavírus se dá porque a Covid provoca uma intensa reação inflamatória que atinge diferentes territórios vasculares do organismo, vasos esses que já apresentam alterações na sua estrutura e função decorrente da hipertensão arterial não controlada, fazendo com que essa pessoa tenha mais risco de complicações”.

Do total de hipertensos, apenas 40% sabem que possuem e procuram tratamento. Por outro lado, 40% dos pacientes que iniciam tratamento, não o segue como deveriam.

“Temos um problema muito grande de falta de adesão ao tratamento, por ser uma doença assintomática, o chamado inimigo silencioso, isso acarreta distúrbios, principalmente no aparelho cardiovascular, onde a incidência de infarto e de AVC é muito alta naqueles que não têm pressão controlada”, enfatizou o presidente da SBC. 

Sintomas e tratamento

A SBC indica que os principais sintomas da hipertensão são: alteração do movimento e/ou da sensibilidade em uma parte do corpo; dificuldade de fala ou compreensão; dor de cabeça intensa e súbita.

Além de tontura ou alteração no equilíbrio; alteração da visão e/ou dificuldade para enxergar, náusea ou vômito, dificuldade para engolir e/ou perda da consciência (desmaio).

Ao apresentar os sintomas, a recomendação é procurar ajuda médica imediatamente. 

"Pois os profissionais de saúde têm um curto espaço de tempo para atuar: a cada minuto, milhões de neurônios podem ser perdidos durante um AVC. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maior é a chance de recuperação", alerta a organização.

O presidente da SBC afirma que se for bem diagnosticada, o tratamento da pressão alta é para vida toda, e consiste em hábitos no dia a dia, além dos medicamentos.

"A medida não medicamentosa mais importante é diminuir o sal na alimentação, isso significa ingerir menos alimentos processados e industrializados. Cerca de 75% do sal que ingerimos vem desses alimentos".

Ele também aponta a atividade física para manter a pressão arterial estável, além de evitar álcool  e cigarros. 

"Algo muito negligenciado também é a qualidade do sono: a pessoa que não dorme direito tem mais chance de desenvolver hipertensão”, ressalta Amodeo.

Correio do Estado