Menina de 11 anos jogada em pedreira morava com tio que a estuprou e ficou sumida por 8 horas

Adolescente não morava com a mãe e tio dormia bêbado quando ela foi arrastada por menores

Por Fernando Brito 11/08/2021 - 08:23 hs

Menina de 11 anos jogada em pedreira morava com tio que a estuprou e ficou sumida por 8 horas
Corpo foi encontrado caído de paredão com cerca de 20 metros. - (Foto: Reprodução/ Dourados News)

Com o avançar das investigações, o feminicídio e estupro da menina de 11 anos ganha novos detalhes do crime macabro ocorrido em Dourados, cidade a 225 km da Capital. Raíssa da Silva Cabreira foi estuprada pelo próprio tio, Elinho Areválo, preso nesta terça-feira (10).A criança morava com ele e outros familiares.

A adolescente não morava com a mãe e o tio estava dormindo, bêbado, quando Raíssa foi arrastada pelos adolescentes, também apreendidos,por volta das 22h de domingo (8). Até o horário que indígenas da Aldeia Bororó encontraram o corpo dela, caído de um paredão de 20 metros, passaram-se cerca de oito horas.

Ainda conforme a Polícia Civil, o tio foi procurar Raíssa porque ela não estava em casa. Dois dos três adolescentes apreendidos levaram a menina de casa, a força. “Ao que se sabe ela estava gritando e pedindo ajuda. O tio chegou ao local quando tudo já estava ocorrendo”, afirmou o delegado Erasmo Cubas, do SIG (Setor de Investigações Gerais) de Dourados.

Além do tio e dos adolescentes, Leandro Pinosa, de 20 anos, foi preso. O tio que já abusava da menina desde os 5 anos dela, flagrou o momento em que os quatro acusados do crime estupravam a menina. Ele acabou participando da sessão de estupro contra a sobrinha que havia sido arrastada para o local pelos autores, que planejaram o crime de estupro.

Ainda de acordo com o delegado, os acusados embebedaram a criança para continuar a cometer os abusos. Quando ela recobrou a consciência e tentou se desvencilhar dos autores, foi arrastada para a beirada da pedreira, quebrando os braços em uma tentativa de se defender, mas acabou jogada viva de uma altura de 20 metros.

Três adolescentes, um jovem e o tio da criança foram detidos e levados para a delegacia. Quando o tio foi questionado sobre os motivos que o levaram a cometer o crime, ele disse que estava bêbado. O laudo do exame feito na vítima constatou o estupro. Ela tinha lacerações nos órgãos genitais. Ao todo, sete pessoas foram levadas para a delegacia para serem ouvidas, nesta segunda (9).

O corpo de Raíssa, indígena da etnia Kaiowá, foi encontrado dilacerado com a queda de um paredão entre as aldeias Bororó e Jaguapiru. O local é costumeiramente utilizado pelos indígenas de duas aldeias para consumo de bebidas alcoólicas e até uso de drogas.

Midiamax