Encontro da morte: estilista foi assassinado há 3 anos por rapaz que conheceu no Facebook

ulgamento aconteceu dois anos depois e Alan foi condenado a 1 ano no semiaberto

Por Fernando Brito 03/09/2019 - 09:02 hs

O que era para ser um segundo encontro de dois amantes que se conheceram pelo Facebook virou assassinato, na noite de 4 de setembro de 2016. O estilista Altivane Ramos Borges de 54 anos foi morto asfixiado na sua casa, no bairro Taquarussu por Alan Silva Santos, de 20 anos, que conheceu nas redes sociais.

Os dois se conheceram pelas redes sociais e durante quatro meses trocaram mensagens e fotos, sendo que em julho eles teriam se conhecido mantendo contato virtual. No dia 4 de setembro, um novo encontro foi marcado e o estilista levou Alan para sua casa, onde mantiveram relações sexuais.

O que era para sem apenas mais um encontro acabou em morte depois que Alan teria revelado a Altivane que não queria mais se relacionar com ele, já que havia conhecido outra pessoa. Na época, o rapaz contou que o estilista teria ficado descontrolado e tentado impedir que fosse embora. Os dois, então, teriam entrado em luta e Alan dado um soco na garganta de Altivane, que caiu.

Quando o estilista se levantava, Alan aplicou um ‘mata leão’ na vítima que a matou. O rapaz foi preso 26 dias depois do crime e disse que não sabia que havia matado o Altivane.

Depois de deixar o estilista desacordado em casa, o rapaz levou o carro dele, junto das latas de cerveja que consumiram na noite como também os pratos que usuaram no jantar. Tanto o carro, um Fiat Uno, como as coisas levadas da casa foram abandonadas na BR-060 e Alan voltado a pé para casa, no bairro Pênfigo.

Julgamento

Dois anos depois do assassinato, Alan sentou no banco dos réus e foi condenado pela morte do estilista a 1 ano de detenção pelo homicídio culposo e a 1 ano e 10 dias multa pelo furto de alguns pertences da vítima. Os jurados acataram a tese da defesa de Alan, que pediu para que fosse retirada a qualificadora e ele condenado por homicídio culposo, ou seja, quando não há a intenção de matar.

Fonte: Midiamax